Tag Archives: domingo

#146 Festa da Luzes

12 Fev

Após 40 dias do nascimento de Jesus, nós celebramos Sua apresentação no Templo, que expressa Sua entrega total a Deus. A Apresentação do Senhor encerra as celebrações natalinas e abre para nós o caminho rumo à Páscoa.

Gosto muito de levar os folhetinhos da missa para casa e depois ler a mensagem final. A da Apresentação do Menino Jesus (domingo dia 02/02) era muito interessante, por isso decidi compartilhá-la aqui! Leia com atenção:

A DANÇA DAS VELAS

Velas1

Celebramos hoje a festa da luz. Aquela luz que é o próprio Cristo, a iluminar os que andam nas trevas e nas sombras da morte.

Será que a luz da pequena vela consegue ainda despertar em nós alguma emoção e provocar-nos algum estremecimento? Porque aquela chama, por pequena e frágil que seja, simboliza a chama de nossa fé em Cristo, recebida no batismo.

É bem possível que, no festival colorido de tantas luzes artificiais, a memória daquela pequena chama tenha se apagado em definitivo. Isso significa que nossa fé em Cristo, por ela simbolizada, entrou em crise.

Continuamente provada pelas inúmeras tentações da vida, nossa fé sempre corre perigo de “dançar”  ao sabor dos ventos do materialismo. Oportunistas que somos, confessamo-la nas situações favoráveis. Levantamo-la quando todos a levantam, escondemo-la quando há perigo de zombaria ou de perseguição por causa dela.

Há momentos de entusiasmo em que daríamos até a vida por ela; há momentos em que somos até capazes de renegá-la. Em outras palavras, na hora em que tudo corre de acordo, confessamo-nos cristãos; na hora dos reveses, viramos descrentes.

Esta é a “dança” a que nossa fé está submetida. Mas aquela fé que aprende a dançar ao ritmo dos acontecimentos humanos não demonstra ter raízes profundas. Cabe-lhe aprender a permanecer firme: no meio da tempestade e no meio da bonança, na hora da derrota e na hora da vitória, perante a morte e perante a vida.

Então, o que estamos fazendo com a luz da fé que um dia nos foi entregue? A luz é para aquecer e iluminar. Com tanto frio e tanta escuridão invadindo a terra, não temos o direito de apagá-la nem escondê-la debaixo de tampas sepulcrais.

Pe. Virgílio, ssp 

Anúncios

#44 O Jumentinho

1 Abr

REFLITA com esta história de Domingo de Ramos:

 Um jumentinho voltando para sua casa todo contente, fala para sua mãe:

– Fui a uma cidade e quando lá cheguei fui aplaudido, a multidão gritava alegre, estendia seus mantos pelo chão… Todos estavam contentes com minha presença. 

Sua mãe questionou se ele estava só e o burrinho disse: 

-Não, estava levando um homem com o nome de Jesus. 

Então sua mãe falou: 
-Filho, volte a essa cidade, mas agora sozinho. 

E o burrinho respondeu: 
– Quando eu tiver uma oportunidade, voltarei lá… 

Quando retornou a essa cidade sozinho, todos que passavam por ele fizeram o inverso: alguns ignoraram, outros maltratavam, xingavam e até mesmo batiam nele. O jumento resolveu, então, voltar para casa. Indignado disse à sua mãe:
– Estou triste, pois nada aconteceu comigo. Não recebi palmas, nem mantos, nem honra… Apanhei muito, fui ignirado e maltratado. Eles não me reconheceram, mamãe… Porque isso aconteceu comigo? 

Sua mãe respondeu: 

– Meu filho querido, você sem JESUS é só um jumento… 

 Pense nisso:

SEM JESUS NÃO SOMOS NINGUÉM!

Leia também: O Domingo de Ramos.

Nossa Senhora Aparecida, rogai por nós!